Conheça sobre a Liga Europeia – European League of Football (EFL)

O que é? European League of Football (EFL)

Advertisements

Nas últimas semanas, uma nova liga de futebol americano entrou no radar dos brasileiros, principalmente após o anúncio de uma parceria com a Liga BFA. Estou falando da European League of Football (ELF).

Anunciada em março de 2020, pouco antes da pandemia ser declarada mundialmente, a ELF é a primeira tentativa de retornar com o futebol americano profissional na Europa desde 2007, ano em que a NFL Europa encerrou suas atividades.

A ELF é uma empresa privada e tem como acionistas a SEH Sports & Entertainment Holding, empresa de investimentos com foco nas áreas de esporte, mídia e entretenimento, e Patrick Esume, um dos maiores nomes do esporte no continente e um dos principais comentaristas da NFL na Europa, que também atuará como comissário da liga. 

Financiamento

A ELF terá a Chio!, marca de chips do grupo alemão Intersnack, como patrocinador principal até 2024. “Encontramos um parceiro perfeito para o nosso campeonato. Não é apenas um bom negócio, mas uma questão de coração. Junto com a Chio, sempre vamos apresentar ótimos formatos para os torcedores, tenho certeza isso “, disse o comissário Esume.

A liga fechou outras parcerias com a Ticketmaster (venda de ingressos), MITO Drink (bebidas energéticas), Samsung TV Plus (app para transmissão na Alemanha, Áustria e Suiça), Profi.Car (performance) e o rapper Kontra K, que cedeu a música “Wenn das Schicksal dich trifft” para ser a música oficial da primeira temporada da ELF.

Mesmo com a proposta de ser uma liga profissional, a ELF ainda é classificada como semi-profissional. Segundo o Zeite.de, cada time terá um orçamento de 750 mil euros na primeira temporada, um salary cap nos moldes das ligas americanas. “Não queremos os mesmos campeões todos os anos como na Bundesliga,” disse Esume. É muito dinheiro, mas não o suficiente para profissionalizar um time com de até 60 jogadores e comissão técnica. 

Advertisements

Transmissões

Esume e Zeljko Karajica, CEO da SEH, possuem fortes laços com a mídia alemã, já que ambos trabalharam na ProSiebenSat.1 Media, um dos maiores canais da Alemanha. Essa proximidade levou a assinatura de um contrato que garante a  transmissão de 13 jogos, incluindo os playoffs e a final, transmitidos ao vivo na Alemanha pela ProSieben Maxx, com todos os outros jogos sendo transmitidos ao vivo pela ran.de. O canal Esport 3 será o responsável pelas transmissões dos jogos na Espanha.

Além das transmissões nos canais citados, a ELF conta com um serviço de streaming em parceria com a inglesa StreamAMG. A ELF Network dará acesso ao jogos ao vivo para qualquer pessoa no mundo e conta com quatro pacotes: Pay Per View (€3,99 por jogo), Game Day Pass (€8,99 por semana), Team Pass (€39,99) e o Season Pass (€99,99).

Regras

A ELF jogará com as mesmas regras da NFL, exceto na prorrogação, onde usarão as regras da NCAA. Os times poderão contar com até 60 jogadores e 5 nomes no practice squad.

O foco da liga é desenvolver atletas locais, por isso serão permitidos 4 americanos por time e 10 estrangeiros não americanos. Muito se falou em americanos naturalizados em outros países europeus, que isso poderia ser uma brecha para a entrada de mais americanos na liga. Esses jogadores não serão contados como atletas internacionais, mas sim como americanos.

Uma das principais iniciativas será a criação de oportunidades de intercâmbio para jogadores, treinadores e árbitros dos dois continentes. Com essa parceria, os brasileiros não entram na regra de “import players”. Além disso, existe a intenção de incluir, no futuro, pelo menos uma vaga por time para ser ocupada por um jogador brasileiro. Ainda existe a possibilidade da criação de um jogo entre os campeões brasileiros e da ELF.

Times

Inicialmente, a liga contaria apenas com times da Alemanha e Polônia, mas com o adiamento da sua estreia, um time espanhol acabou sendo incluído, fechando a primeira temporada com oito times de três países: os alemães Berlin Thunder, Hamburg Sea Devils, Leipzig Kings, Cologne Centurions, Frankfurt Galaxy e Stuttgart Surge, o polonês Wrocław Panthers e o espanhol Barcelona Dragons.

Alguns dos times usam nomes idênticos de times da extinta NFL Europa, o que foi possível após a NFL autorizar o uso das marcas dos extintos Surge, Galaxy, Centurions, Sea Devils e Dragons.

Expansão

A ELF planeja acrescentar outros 14 times ao campeonato nos próximos quatro anos, podendo alcançar 10 países europeus. Áustria, França, Inglaterra, Dinamarca, Suécia e Turquia podem ter suas franquias anunciadas nos próximos dois anos. Itália, Hungria, Bulgária e Bélgica poderão entrar em um futuro próximo.

Advertisements

Brasileiros na ELF

A ELF já conta com alguns brasileiros em seus times. São eles:

Junior Briele – DE/DT – Cologne Centurions

Com passagens pelo Corinthians Steamrollers (2011-2013), onde foi bicampeão nacional, Briele foi para a Europa, deixou de ser fullback e jogou no Cologne Falcons (2016-2019) como DE/DT. Dá uma olhada nos Highligths dele.

Murilo Machado – OL – Panthers Wrocław

Murilo começou a jogar em 2013 no Goiânia Rednecks (2013-2016), foi para o T-Rex (2017-2019), Oldenburg Knights/ALE (2019) e Thonon Black Panthers/FRA (2020). Em sua passagem pelo T-Rex, Murilo foi eleito All Pro da Conferência Sul em 2017 e 2018. Dá uma olhada nos Highligths dele.

Pollys Junio – OL – Berlin Thunders

Pollys começou a jogar em 2016 na base do América Locomotiva (2016-2018), onde foi campeão mineiro em 2016. Pelo Galo FA (2019-2021), ganhou o mineiro e a Conferência Sudeste da BFA em 2019. Pollys foi destaque na primeira edição da Golden Boy, sendo ranqueado em terceiro lugar entre os OLs da nova geração. Dá uma olhada nos Highligths dele.

ELF x GFL

A base da ELF é a Alemanha e não demorou muito para os problemas com a GFL, principal liga nacional europeia, surgirem. A AFI publicou em novembro de 2020 uma matéria sensacional sobre o assunto: “A nation divided: Germany’s football leaders react to the European League of Football”.

Advertisements

Em suma, o modelo da ELF se diferencia da GFL e demais ligas europeias em um ponto: os times não pagarão para jogar, já que existe uma equipe focada na busca de patrocinadores para financiar a liga. “Se houvesse um sistema funcionando bem, não haveria necessidade de algo novo”, disse Esume. “Se você viajar pela Alemanha e conversar com as pessoas e equipes, parece que 90% das pessoas não estão felizes com a forma como as coisas têm acontecido nos últimos 15 anos. Algo precisava mudar.”

O maior crítico da ELF é Carsten Dalkowski, presidente da GFL. “Todos podem fazer o que quiserem. Não é como se tivéssemos o direito de dizer a eles para não experimentar ”, explica Dalkowski. 

Como bem colocado na matéria, as ligas estão filosoficamente em desacordo, a ELF vê um esporte em crescimento que estagnou no nível amador. Não é um esporte pobre, mas com recursos direcionados para salários de lideranças, enquanto marketing e seleções nacionais são deixadas de lado.

Advertisements

Pelo lado da GFL, os críticos acreditam que a ELF tem pouco interesse em desenvolver o jogo. “Você não apenas tem direitos, também tem obrigações. Parece que eles estão interessados apenas em seus direitos”, sugere Dalkowski. “Eles não querem ter programas juvenis, não querem investir na formação ou no desenvolvimento dos jogadores, querem apenas jogar. Esse é um formato profissional e eu entendo isso, mas não parece que eles realmente serão profissionais. ”

Jordan Neuman, head coach do Schwabisch Hall Unicorns, um dos principais times alemães e fiel a GFL, teme que a competição por jogadores e recursos no mercado alemão possa desfazer o progresso feito nas ligas menores.

“Foi decepcionante para o futebol alemão apenas no sentido de que você nunca quer ver as coisas se dividirem”, diz ele. “Acho que a GFL se tornou a melhor liga da Europa nos últimos cinco anos ou mais. Tornou-se a liga mais competitiva. Provavelmente não cresceu tão rápido quanto algumas pessoas gostariam, mas acho que há muitas coisas boas sobre a liga e não quero ver isso se dividir.”

Advertisements

Com a concorrência, a GFL está se movimentando para diminuir os pontos mais criticados. Uma nova diretoria está focada em melhorar o marketing, o atendimento dos fãs e a exposição na televisão. “A GFL está tentando ser mais profissional a cada ano, mas não podemos dar os grandes passos que eles querem, porque não podemos arriscar a estrutura dos clubes, das seleções juvenis e da associação que estamos financiando com nossas licenças”, enfatiza Dalkowski.

Esume diz que não está querendo derrubar as estruturas estabelecidas, apenas está tentando preencher uma lacuna no mercado europeu e isso funciona melhor se todos trabalharem juntos. “Temos uma janela de oportunidade, o futebol está tão quente na Alemanha que a mídia está realmente interessada em nosso jogo e as equipes estão frustradas”, diz ele.

“No final do dia, é a sobrevivência do mais apto. Isso é o que se resume. Mas não estamos competindo com a federação. O oposto é o caso ”, diz Esume. “Em um mundo ideal, realmente gostaríamos de trabalhar com todas as federações europeias onde temos uma equipe.”

Advertisements
Advertisements

Silas Gomes Under – 23 T-Rex Sports Academy

Leonardo Siqueira – Jornalista e Imprensa Paranaense

Jogar uma final nacional é desejo de qualquer atleta. Alguns se contentariam em estar no banco ou entrar em apenas alguns drives. A maior parte dos jogadores nunca chegará lá e um número ainda menor poderá dizer que foi titular. Silas Gomes foi titular do Timbó Rex na final da BFA em 2019, no vice-campeonato contra o João Pessoa Espectros em Blumenau/SC, e quer mais. É fato que querer nem sempre é poder, mas alguns fatores indicam que Silas pode chegar lá novamente.

O fato de jogar em uma das equipes mais fortes e organizadas do país é o mais claro deles, mas o atleta tem suas qualidades. Com apenas 22 anos, o linebacker já possui 10 anos de experiência e uma bagagem invejável.

Advertisements

Início no Futebol Americano

Gomes teve seu primeiro contato com o futebol americano jogando flag, em 2011, no São Paulo Black Devils. Depois de uma passagem pelo flag do Spartans, o jovem teve o primeiro contato com o full pads no Corinthians Steamrollers em 2014. Após algumas temporadas vestindo o manto alvinegro, em 2017 Silas chegou no rival Palmeiras Locomotives para a disputa da Liga Nacional. Foi só em 2018 que ele chegou em Santa Catarina.

“Sempre foi um sonho jogar por aqui (Timbó), não tinha planos de jogar fora do país. Meu sonho sempre foi jogar no Rex, desde quando eu conheci o FABR” relata.

Advertisements

Nova realidade

Em que pese jogar numa defesa fortíssima e recheada com nomes de destaque nacional (e internacional, por que não?) como o LB Luis Polastri, em 2019 Silas já tinha a responsabilidade de repassar as chamadas defensivas dentro de campo. Assim como Polastri, Gomes cita Andrey Pereira (DL) e o ex Coach defensivo Laércio Anacleto como grandes incentivadores do seu crescimento em Timbó, além de Bro Bezerra (LB) e Felipe Bersch (LB) no Corinthians.

O desejo de jogar no Rex se concretizou apenas em 2018. Silas teve seus vídeos aprovados pela diretoria e se mudou para Timbó. Com uma rotina de treinos intensa, a adaptação do atleta não foi fácil, mas rendeu bons frutos como o título Catarinense logo no primeiro ano de casa.

Mais que se adaptar ao time, Silas também se adaptou à cidade. Em fevereiro de 2018 conheceu a namorada, Ana Maria, com quem mora junto há dois anos e, em março deste ano, deu à luz ao primeiro filho do casal, o pequeno Antônio.

Bom, tudo começou em 2015, Silas estava planejando jogar no Rex e veio me pedir sobre curso de enfermagem na cidade, dei umas dicas e acabou nisso (…) ainda acho tudo uma loucura o que fizemos, mas agradeço todos os dias por ter ele e agora o Antonio na minha vida. E espero que a gente construa muitas coisas juntos ainda, porque o que o futebol americano uniu, ninguém separa rs“.

Ana Maria Rodrigues – Mulher de Silas Gomes

Advertisements

Todo esse processo fez com que ele e a família fossem escolhidos pela diretoria um dos personagens do documentário Chance 4 Life, que está sendo produzido pelo T-Rex Sports Academy e estará disponível no Unifique Play. O projeto promete contar um pouco sobre a rotina da equipe e a história de alguns personagens, tendo como inspiração a série Last Chance U, da Netflix.

Nova geração do Futebol Americano!

Silas foi 6º lugar no projeto Golden Boy, uma iniciativa da Tide que reuni um banco de dados dos mais promissores atletas do esporte no Brasil e oferece a treinadores e jornalistas de todo pais para avaliação e classificação, levando em conta o fator idade no mínimo mais um ano no projeto para Silas que vai puxar as próximas listas defensivas ao lado de Guilherme Santana, Guilherme Stutz, Tulio Poletti entre outros. Uma posição de destaque, que também o posiciona entre os ‘starters’ do projeto.

Confira abaixo todos os 11 defensivos melhores classificados:


“dos campos de terra até o sonhado vale da morte”

dos campos de terra até o sonhado vale da morte – sonhamos esses momentos que estou compartilhando agora, quando treinávamos nos campos de terra e na quebrada… muitas dificuldades, mas nada nos impediu de lutarmos até o fim”. – declarou Silas Gomes para Arthur de Lucca ao perceber que saíram juntos das dificuldades da capital paulista para encabeçar uma classificação nacional para jovens atletas.

“Silas é meu irmão! desde que comecei no futebol americano já sabia quem ele era, mas ter conhecido como pessoa e conviver foi melhor ainda, assim que o Rex entrou na nossa vida nos aproximamos e vi como Silas era uma pessoa pura e gente boa, alguém que eu sabia que podia contar, desde ai nossa amizade só cresceu e hoje sou muito grato em ter o conhecido. Me ajudou no meu crescimento e com certeza ja marcou minha história. Tamo junto meu irmão”.

Arthur de Lucca – Nickel T-Rex Sports Academy e Top 02 Overall Golden Boy.

Advertisements

Porque a matéria Under 23 está sendo feita com Silas? Perguntado ao Caio respondeu –

Silas representa nossa chegada, ele sabe que a Tide é diferente e já citou isso ao perguntado sobre a Golden Boy, foi o primeiro atleta a se registrar conosco no processo de pesquisa de jovens atletas e foi o primeiro a postar “A Nova Geração do Futebol Americano” no seu feed – esse movimento posteriormente aquela iniciativa colecionou mais de 100 posts em perfis de atletas espalhados em todos Brasil, é uma parada que me orgulho muito em ter feito, saiu da minha cabeça sim, mas para realização talvez não teria acontecido sem ele”.

Caio Guimarães – CEO Tide Football e idealizador Golden Boy FABr.



Advertisements

Sob ‘Nova direção’ Coach Teran

A chegada de Coach Teran, mexicano que assume a coordenação defensiva do T-Rex esse ano, pode representar um novo passo no desenvolvimento de Silas. Que já atuou em diversas posições no sistema defensivo da equipe, mas agora pode ser definido como ILB (Linebacker no centro de uma defesa).

“Ele é um grande treinador” afirma, “ele tem uma força diferente de trabalhar, sinto que é muito mais simples a forma como explica”.

Uma curiosidade que muito nos chamou atenção é Coach Teran já trabalhou junto a Ryan David, no Aztecas, equipe do México, isso mesmo o atleta e do Galo Futebol Americano que terá sua chance na Liga Canadense passou por experiências com o Coach de Silas atualmente, a equipe de Timbó recrutou não só para o Rex mas para todo esporte nacional se tratando de desenvolvimento de atletas.

A esperança é de que a parceria renda bons frutos no futuro. “Sempre quis ser campeão nacional e jogando pelo Rex esse desejo aumentou”, conta. Silas, claro, também almeja o reconhecimento individual. “Sonho também poder, um dia, representar meu país” projeta.

Advertisements

Próximo cenário

Por mais que seja difícil projetar seleção nacional no meio do momento que passamos em pandemia decorrente ao Covid-19 aguardamos muito a sequência do esporte no pais e inclusive da seleção brasileira como mencionada por Silas acima, encerramos com o seguinte questionamento o mérito será visualizado no futebol americano nacional ou um universo de bolha e interesse pessoal irá dominar o próximo cenário? Nós não escolhemos para quem dar mídia, são eles quem conquistam e nós destacamos é um proposito justo no qual o cenário não estava acostumado e por isso Silas entende que a Tide é diferente.

Advertisements
Advertisements